top of page
Buscar

A conexão entre arte e literatura

Atualizado: 28 de fev.

A literatura despertou a imaginação dos seus leitores e as mentes visuais dos artistas que transformaram estas histórias escritas em janelas visuais convincentes para esses mundos. A ligação recíproca entre arte e literatura pode ser observada ao longo dos séculos. Muitas pinturas famosas foram inspiradas em grandes obras da literatura, algumas delas clássicos adorados e outras de narrativas relativamente obscuras. Participe deste rápido tour por algumas das pinturas mais famosas inspiradas em obras literárias!


Jean-Auguste Dominique Ingres, Édipo e a Esfinge, 1808–1827

Jean-Auguste Dominique Ingres, Édipo e a Esfinge, 1808–1827.

Jean-Auguste Dominique Ingres, Édipo e a Esfinge, 1808–1827.


'Édipo e a Esfinge', do pintor francês Jean-Auguste Dominique Ingres, foi inspirado na obra do antigo poeta grego Sófocles. Junto com Ésquilo e Eurípides, ele é considerado o mais importante dos antigos poetas trágicos gregos. Suas peças sobreviventes, especialmente Antígona e Édipo Rex, são apresentadas em palcos de todo o mundo.

Situada no centro da pintura, a figura musculosa de Édipo é fortemente iluminada enquanto ele se inclina em direção à Esfinge, cujo corpo híbrido está parcialmente escondido nas sombras. Porém, é possível distinguir seu corpo de leoa, suas asas de águia e sua cabeça feminina. A Esfinge sitiou a cidade grega de Tebas e apresentou enigmas aos tebanos que passavam. Aqueles que não conseguiram resolver foram devorados, estrangulados ou jogados em uma fenda. Somente Édipo conseguiu resolver seu enigma e assim libertar Tebas da Esfinge, tornando-se rei da cidade (o que pode ser visto na abertura entre as rochas ao fundo) e casando-se sem saber com sua mãe.

Para muitas de suas pinturas, Ingres recorreu a obras clássicas e, além disso, a forma como mostra a figura de Édipo parece inspirada nos antigos vasos gregos. Ingres trabalhava na França numa época em que a antiguidade clássica estava de volta à moda.


Sir John Everett Millais, Ofélia, 1851-1852

Sir John Everett Millais, Ofélia, 1851-1852.

Sir John Everett Millais, Ofélia, 1851-1852.


A cativante pintura Ofélia, de Sir John Everett Millais, é uma das obras-primas indiscutíveis em exibição na Tate Britain, em Londres. Pintado entre 1851 e 1852 por um dos mais proeminentes artistas do movimento pré-rafaelita, Millais baseou sua pintura em uma cena da tragédia 'Hamlet' de William Shakespeare, escrita entre 1599 e 1601. Na época, esse tema era muito incomum. Mostra a personagem Ofelia flutuando serenamente em um rio rodeada de flores delicadamente representadas. Depois que seu pai foi assassinado por seu amante Hamlet, o rei da Dinamarca, ela enlouqueceu e caiu em um riacho, onde lentamente se afogou. Millais estudou o texto de Shakespeare com muita atenção e retratou Ofélia de acordo com o texto: seus vestidos estão bem abertos, flutuando no riacho, seus lábios ligeiramente abertos para cantar sua última canção.


Millais criou esta pintura em dois locais. Inicialmente ele pintou o cenário no interior da Inglaterra. No entanto, como todos os membros da Irmandade Pré-Rafaelita, que estava principalmente interessado em assuntos medievais e antigos, ele queria estudar a natureza o mais de perto possível, e a representação detalhada de árvores, flores e solo é um testemunho impressionante de suas habilidades artísticas.


No entanto, a figura flutuante de Ofélia foi pintada em seu estúdio. Para captar a difícil posição do corpo flutuante, ele pediu à sua modelo Elizabeth Siddal que posasse durante quatro meses em uma banheira cheia de água e aquecida por baixo.


Trabalhando com a linguagem floral, Millais tocou seus contemporâneos vitorianos. Ele acrescentou mais plantas às já mencionadas na peça de Shakespeare. O salgueiro, a urtiga, os amores-perfeitos e as margaridas simbolizam a dor do amor não correspondido e a inocência e pureza do carinho de Ofelia. Millais também acrescentou a papoula, a flor da morte, e o autoexplicativo “não me esqueças”. A pose de Ofélia de braços abertos representava a sua pura intenção e desamparo e foi posteriormente adotada por vários artistas.


John William Waterhouse, A Senhora de Shalott, 1888

John William Waterhouse, A Senhora de Shalott, 1888.

John William Waterhouse, A Senhora de Shalott, 1888.


Outro exemplo que demonstra de forma impressionante a ligação entre arte e literatura é Sir William Waterhouse, outro membro do movimento pré-rafaelita. Sua pintura de "The Lady of Shalott", acompanhando "Ophelia" na Tate Britain em Londres, foi pintada em 1888 e foi inspirada no poema "The Lady of Shalott" escrito por Alfred Lord Tennyson e publicado em 1832. O poema é sobre uma mulher que mora no topo de uma torre na ilha de Shalott. Ela não tem permissão para olhar o mundo ao seu redor diretamente com seus próprios olhos, mas apenas através do reflexo em um espelho. Porém, um dia ela vê o reflexo do belo cavaleiro Lancelot e não consegue resistir a olhar diretamente para ele. Seu espelho quebra e a maldição cai sobre ela. Ao sentir a morte tomar conta de seu coração, ela foge da torre e tenta desesperadamente alcançar o cavaleiro em um barco. Mas em vão. Ela morre antes de alcançá-lo.

Waterhouse capturou o momento em que a empregada solta a corrente do barco para flutuar rio abaixo. À esquerda podemos ver a borda da torre de pedra que ela abandonou para encontrar aquele por quem se apaixonou. O artista baseou a bela paisagem fluvial em observações reais da natureza enquanto pintava esta obra ao ar livre.


Pablo Picasso, Dom Quixote, 1955

Pablo Picasso, Dom Quixote, 1955.

Pablo Picasso, Dom Quixote, 1955.


Este desenho dinâmico do artista espanhol Pablo Picasso é outro grande exemplo da ligação entre arte e literatura. Desenhado em 1955, Picasso capturou com maestria a quintessência do romance 'Dom Quixote' de Miguel de Cervantes, publicado em 1605. Este desenho apareceu no semanário Les Lettres Françaises por ocasião do 350º aniversário do livro.

Resumindo: a história é sobre Dom Quixote, viciado em leitura de romances de cavalaria. Perdeu a capacidade de distinguir entre ficção e verdade e acredita ser o principal protagonista de uma aventura cavalheiresca, que tem de lutar, entre outras coisas, contra moinhos de vento. Sempre ao seu lado está seu escudeiro, Sancho Pança, que está sempre tentando salvar seu mestre do pior.

No desenho de Picasso, vemos os dois heróis da história em destaque no primeiro plano da composição: Dom Quixote aparece montado em seu magro cavalo Rocinante segurando uma lança e um escudo. Ao lado dele está seu companheiro Sancho Pança montado em seu burro, Rucio. Os moinhos de vento ao fundo sugerem que Picasso representa um dos episódios mais famosos do romance: a luta de Dom Quixote contra os moinhos de vento.

Embora seja um desenho muito simples, capta perfeitamente a natureza absurda e bem-humorada dos personagens do livro.


A literatura é talvez uma das fontes de inspiração mais importantes para artistas de todos os períodos da história da arte. Às vezes, as pinturas inspiradas na literatura tornam-se mais famosas do que a história original, e ficamos surpresos ao conhecer a história de fundo. Os pré-rafaelitas adoravam mergulhar no início da era moderna de Shakespeare e fazê-los ganhar vida diante de nossos olhos. Surrealistas como Magritte e Dalí sentiam-se naturalmente atraídos por histórias de mistério e fantasia. Esta breve exploração da ligação entre arte e literatura mostrou que diferentes campos das artes estão mais interligados do que poderíamos imaginar!

Σχόλια


bottom of page