top of page
Buscar

Peggy Guggenheim, colecionadora e mecenas viciada em arte

Atualizado: 28 de fev.

Normalmente quando falamos de arte referimo-nos a artistas e ao seu trabalho, a historiadores, críticos, investigadores e curadores de arte, mas acontece que por detrás de cada produção visual e do seu autor existem outras figuras que também têm contribuído para a valorização, promoção, divulgação e mecenato da arte e dos seus criadores, são estes os colecionadores e mecenas, tarefa levada a cabo pela americana Peggy Guggenheim na Europa e nos Estados Unidos, enquanto viveu entre Paris, Londres, Nova Iorque e Veneza.


Peggy Guggenheim e seus cães nos jardins do Palazzo Venier dei Leoni, com escultura de Germaine Richier, Tauromaquia, 1953.

Peggy Guggenheim e seus cães nos jardins do Palazzo Venier dei Leoni, com escultura de Germaine Richier, Tauromaquia, 1953.


Peggy Guggenheim nasceu em Nova York em 1898. Seus pais vieram de famílias judias que emigraram da Europa para os Estados Unidos. Seu pai, Benjamin Guggenheim, empresário dedicado à indústria mineira e siderúrgica, era de origem suíço-alemã, e sua mãe era holandesa-alemã. Quando Peggy tinha 14 anos, seu pai morreu no naufrágio do Titanic em 1912, e quando ela atingiu a maioridade, aos 21 anos, recebeu parte da herança que lhe pertencia proveniente da fortuna deixada pelo pai, à qual somou a herança da mãe quando esta faleceu em 1937, o que lhe permitiu a sua independência económica. Porém, Peggy, que desde muito jovem se caracterizou por ter um espírito inquieto, rebelde e excêntrico, ao terminar - ou abandonar - os estudos, trabalhou numa livraria que vendia literatura e arte de vanguarda, onde conheceu a vanguarda europeia pela primeira vez.


Peggy Guggenheim com um vestido de Paul Poiret e cocar de Vera Stravinsky, Paris, ca. 1925.  Foto: Man Ray.

Peggy Guggenheim com um vestido de Paul Poiret e cocar de Vera Stravinsky, Paris, ca. 1925.

Foto: Man Ray.


Em 1920, Peggy viajou para Paris, a capital da arte na época. Lá conheceu alguns dos artistas mais importantes daquela década, mas quem inicialmente a aproximou dos artistas do mundo boêmio e cultural parisiense foi o artista e escritor francês Laurence Vail, com quem se casou em 1922. Junto com Vail, Peggy tornou-se amiga de Marcel Duchamp (de quem se tornou amiga íntima), Man Ray, Constantin Brâncuşi, Tristan Tzara, James Joyce, Jean Cocteau, entre outros artistas e escritores notáveis. Embora tivesse dois filhos com Vail, em 1928 ela se separou dele devido ao seu comportamento agressivo e aos abusos psicológicos e físicos que ele lhe causou.


Peggy Guggenheim com seu primeiro esposo Laurence Vail e seus filhos.

Peggy Guggenheim com seu primeiro esposo Laurence Vail e seus filhos.


Após o divórcio, Peggy viajou para a Inglaterra, onde permaneceu até 1939. Quem estudou sua trajetória comenta que, apesar da amizade que teve com os artistas da boêmia parisiense, a princípio não demonstrou muito interesse pela arte moderna, até o final da década de 1930, durante sua estada na Inglaterra. Lá ela começou a se interessar pelas tendências da arte moderna. Afirmou mesmo que o seu conhecimento da arte chegava ao Impressionismo, mas a sua intuição, sensibilidade, gosto pela arte e a vontade de conhecer e aprender levaram-na a estreitar relações com os artistas mais relevantes da vanguarda europeia como Duchamp e teóricos da arte como Herbert Read. Com Duchamp, seu professor e orientador artístico, aprendeu a diferenciar entre arte abstrata e surrealismo; a ele, em particular, deve sua formação em termos de conhecimento da arte moderna. Sobre ele, Peggy disse que ele foi a pessoa mais influente em sua vida. «Recebi conselhos dos melhores (…). “Foi assim que finalmente me tornei minha própria especialista”, diz ela em seu livro de memórias, Confessions of an Art Addict.


Herbert Read e Peggy Guggenheim, 1939. Foto: Gisèle Freund.

Herbert Read e Peggy Guggenheim, 1939. Foto: Gisèle Freund.


Com a fortuna que a mãe lhe deixou, Peggy pensou em investir em um projeto cultural, então uma amiga sugeriu que ela criasse uma editora ou uma galeria de arte. Evidentemente a sua paixão pela arte levou-a a optar pela segunda opção, pensando também que o investimento seria inferior ao da primeira proposta, e foi assim. Em 1938, Peggy criou uma galeria de arte moderna, a Guggenheim Jeune, que abriu com uma exposição individual de Jean Cocteau, e posteriormente exibiu Vassily Kandinsky e Yves Tanguy, entre outros artistas.


Em 1939, pensando num projeto mais ambicioso, Peggy decidiu fechar o Guggenheim Jeune e abrir um museu de arte moderna, inspirado no Museu de Arte Moderna de Nova York. Para este projeto, Read elaborou uma lista de artistas a incluir no museu, que foi posteriormente corrigida por Duchamp e Nelly van Doesburg, e que acabaria por compor grande parte do que hoje é a coleção Peggy Guggenheim. O projeto do museu acabou não sendo executado devido ao início da Segunda Guerra Mundial. Consequentemente, Peggy decidiu regressar a Paris, onde assumiu a tarefa de adquirir obras da lista sugerida por Read, Duchamp e Nelly van Doesburg. Lá ela iniciou sua famosa coleção de arte de vanguarda. Apesar da invasão alemã de França, em vez de fugir, Peggy aproveitou a incerteza gerada pela situação de guerra para comprar obras de arte a bom preço, motivada pelo seu objectivo de “adquirir uma obra por dia”. Durante este tempo adquiriu obras de Max Ernst, Constantin Brancusi, Albert Giacometti, Fernand Léger, Giacomo Balla, Piet Mondrian, Francis Picabia e muitos outros artistas.


Peggy Guggenheim, Paris, ca. 1940. Foto: André Rogi.

Peggy Guggenheim, Paris, ca. 1940. Foto: André Rogi.


Pouco antes da queda de Paris para os alemães, Peggy fugiu para Marselha, onde iniciou um relacionamento romântico com Max Ernst. Com ele e um grupo de amigos artistas, em 1941 partiu para os Estados Unidos. Em Nova York casou-se com Ernst e em 1942 abriu uma galeria, The Art of This Century Gallery, onde expôs sua coleção de arte da escola parisiense. Em torno de sua coleção e dos artistas europeus que emigraram para os Estados Unidos buscando refúgio e apoio na galeria de Peggy, Duchamp, Mondrian, Breton, Tanguy, Léger, Chagall, Dalí e outros, jovens artistas americanos tiveram a grande oportunidade de contemplar as obras de Arte de vanguarda europeia, diante da qual ficaram maravilhados. Lá conheceram Pollock, Rothko, Motherwell e De Kooning, que seriam os novos artistas patrocinados por Peggy. Sob a influência da arte de vanguarda europeia nasceu o expressionismo abstrato; isto é, arte americana moderna. Pode-se dizer que, graças à gestão de Peggy como colecionadora e mecenas, a capital da arte mudou-se de Paris para Nova Iorque a partir de 1942.


Peggy Guggenheim e Max Ernst na galeria surrealista Art of This Century, Nova York, 1942.

Peggy Guggenheim e Max Ernst na galeria surrealista Art of This Century, Nova York, 1942.


Peggy faleceu em Veneza, Itália, em 1979, cidade onde comprou o Palazzo Venier dei Leoni, para morar com suas obras, onde seu acervo está atualmente guardado sob a administração da Fundação Solomon R. Guggenheim, criada por seu tio, para a quem o doou com a condição de que permanecesse como está, naquele edifício, hoje Museu Peggy Guggenheim de Veneza, considerado uma das melhores coleções de arte europeia e norte-americana, onde se encontram obras de importantes artistas. Destacam-se os do século XX.


Uma vista do Palazzo Venier dei Leoni hoje. Fotografia: Coleção Peggy Guggenheim, Veneza.

Uma vista do Palazzo Venier dei Leoni hoje. Fotografia: Coleção Peggy Guggenheim, Veneza.

Comments


bottom of page